31 de dezembro de 1969 às 21:00

Julgamento de Lula é "fato político" contra sua candidatura, diz Gleisi

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente do PT, disse neste sábado (13) em Porto Alegre que o Poder Judiciário quis "criar um fato político" ao marcar o julgamento da apelação do chamado caso do tríplex, no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da S

Crédito:Sérgio Silva - 15.dez.2017 / Agência PT

Sérgio Silva - 15.dez.2017 / Agência PT

Gleisi Hoffmann durante evento do PT em dezembro

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente do PT, disse neste sábado (13) em Porto Alegre que o Poder Judiciário quis "criar um fato político" ao marcar o julgamento da apelação do chamado caso do tríplex, no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é réu, para o dia 24. O PT e a defesa de Lula criticaram a suposta rapidez com quem o julgamento foi marcado.

"Na realidade, o Judiciário pretendia, em marcando [o julgamento] para o dia 24, criar um fato político, que era dizer que Lula não poderia ser candidato, e espalhar isso na sociedade brasileira", afirmou a senadora a jornalistas antes de ato público no Parque da Redenção.

Lula será julgado em segunda instância pela 8ª Turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), sediado em Porto Alegre. Uma condenação no tribunal pode torná-lo inelegível pelos critérios da Lei da Ficha Limpa e até mesmo levá-lo à prisão. O petista tem liderado pesquisas de intenção de voto para presidente nas eleições deste ano.

Na primeira instância, Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro, da Justiça Federal do Paraná, a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A defesa do ex-presidente nega que haja provas e diz que evidências de sua inocência foram ignoradas.

O UOL procurou a assessoria de imprensa do TRF-4 para saber se algum representante do tribunal comentaria as declarações de Gleisi, mas não recebeu resposta até o momento da publicação deste texto.

Após o anúncio da data do julgamento, a defesa de Lula questionou o TRF-4 sobre uma suposta "celeridade extraordinária" do processo. Para Gleisi, a "rapidez" do caso seria motivo de arrependimento para o Judiciário.

"O tiro saiu pela culatra. Eu acho que, se arrependimento matasse, eles refaziam esse calendário", disse. "Houve uma reação imensa da sociedade, do mundo jurídico, da intelectualidade, de artistas."

Sem citar nomes, a senadora disse ainda que "eles têm que ter cuidado com o que vão fazer" e que "estão muito acuados". 

"Por isso que eu disse que eles devem estar arrependidos de ter marcado esse julgamento. Porque, se eles queriam briga política, eles acertaram em chamar a briga política conosco. Porque na política nós sabemos brigar", declarou.

Ao falar para a militância, Gleisi reafirmou que a Justiça age politicamente contra Lula e disse que, "se eles vêm e descem pro parquinho, para o play, eles têm que saber brincar".

A senadora também buscou minimizar o impacto eleitoral de uma eventual condenação de Lula. Ela citou o calendário eleitoral, que prevê o registro de candidaturas apenas em agosto, e disse que só a partir disso o nome de Lula como candidato poderia ser questionado.

"Nós também vamos pelear na Justiça. Não vamos ficar mansos", disse. "Nós não vamos aceitar que ele seja condenado, e Lula será candidato a presidente."

Fonte: UOL

comentários

Estúdio Ao Vivo