31 de dezembro de 1969 às 21:00

Opção pelo PSL selou vitória da ala radical do grupo de Bolsonaro; deputado perde apoio entre liberais

Só no gogó Ao optar pelo PSL, Jair Bolsonaro não definiu apenas o partido no qual se abrigará, mas o estilo de candidato que será. O grupo que negociava sua aproximação com o Patriota pregava um modelo menos radical, mas outra ala venceu a queda de braço. Esta defende uma campanha fechada, com alianças ideológicas e centralizada na internet. A falta de recursos e de tempo de TV serão apresentados como ativos. O deputado só vai voar de avião de carreira e estuda fazer vaquinha virtual.

Anéis e dedos A disputa entre os grupos que cercam o presidenciável já levou a baixas em sua assessoria. Adolfo Sachsida, o primeiro economista que topou guiar Bolsonaro, não troca mais informações com o parlamentar.

Anéis e dedos 2 A ele se somaram outros pregadores da cartilha liberal que deixaram de defender o deputado por vê-lo adotar posição isolacionista. O nome de Alexandre Borges, que coordenou a campanha de Flávio Bolsonaro à Prefeitura do Rio, é citado entre as defecções.

Em alta O advogado Gustavo Bebianno tornou-se um dos conselheiros mais influentes de Bolsonaro. Ele diz que o presidenciável não está preocupado em montar um arco de alianças para ter tempo de TV. “Acreditamos na força da internet.”

Vai vendo Estrategistas que atuam para pré-candidatos de centro dizem que a escolha pode ser suicida. Segundo lugar nas pesquisas, Bolsonaro será atacado pelos rivais e não terá artifícios para se defender na televisão.

O que pensa Bolsonaro

Fênix Como o governador Geraldo Alckmin não decola nas pesquisas, integrantes da Juventude do PSDB voltaram a citar João Doria como alternativa para o Planalto. Eles dizem que o prefeito paulistano tem mais força em 13 Estados, mas ressaltam que acatarão a decisão nacional.

Elo perdido Entre os argumentos para apoiar Doria está a capacidade que ele teria de aglutinar partidos. “Se a candidatura do Geraldo não decolar, o nome é João Doria”, diz Leonardo Braga, presidente da Juventude tucana no Rio Grande do Sul.

Vivo estou De caso pensado, o senador José Serra (PSDB) deixou escapar a deputados estaduais ao longo da última semana que está disposto a concorrer ao governo de São Paulo.

Calma, gente! O presidente Michel Temer atuou pessoalmente para evitar que a repercussão do rebaixamento da nota de crédito do Brasil colocasse ainda mais lenha na disputa velada entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro Henrique Meirelles (Fazenda).

Falando nisso Temer aproveitou as conversas com ambos para minimizar o conteúdo das declarações que deu sobre 2018. Na prática, o presidente tratou os aliados como cartas fora do baralho na corrida presidencial.

Pegar ou largar A tropa de Temer vai usar o rebaixamento da nota do Brasil como argumento para a nova Previdência. O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) diz que a decisão da S&P corrobora o discurso de que, sem mudança, “o país vai viver de rebaixamento em rebaixamento”.


Quem ama cuida Maia inicia neste sábado (13) uma maratona de palestras nos Estados Unidos e em Cancún. Ao avisar à família que iria viajar, recebeu mensagem da mãe. Ela pediu que, caso resolvesse ir à praia no México, o deputado não esquecesse de usar camisa para evitar fotos de sua barriga.

Visita à Folha Bryan Quinn, presidente da Global BHP Billiton, visitou a Folha nesta sexta-feira (12). Estava acompanhado de Santiago Montt, vice-presidente legal, e de Luis Fernando Madella Athayde, diretor da empresa, e de Rodrigo Barneschi, diretor-executivo da Máquina Cohn & Wolfe.

TIROTEIO

O fato de não assumirmos a responsabilidade do que precisa ser feito não nos isenta de arcar com as consequências da omissão.

DO DEPUTADO EFRAIM FILHO (PB), líder do DEM na Câmara, sobre o impacto da não aprovação da reforma da Previdência no rebaixamento da nota do Brasil.

CONTRAPONTO

Não vou morrer de véspera

Durante o leilão para a concessão de um trecho do Rodoanel, na quarta (10), Geraldo Alckmin aproveitou para falar de inaugurações previstas para os próximos meses. Entre elas, destacou o prolongamento da avenida Carvalho Pinto, que será entregue no final de março. Após o anúncio, foi interpelado por uma jornalista.

— E o senhor entregará essa obra? — perguntou a repórter, aventando a possibilidade de o tucano deixar o governo para fazer sua pré-campanha à Presidência antes do prazo final para desincompatibilização, em abril.

— Como assim? Já estão fazendo meu bota-fora! — reagiu Alckmin aos risos.

Fonte: UOL

comentários

Estúdio Ao Vivo